0

Falando do nitrato de potássio

O principal pago que leva uma cultura é, como já disse outras vezes, o NPK. Isso corresponde, por ordem, o nitrogênio, o fósforo e o potássio. Em seguida, podemos também falar de outros microelementos que de acordo com o que cultivos, também se exigem, embora em menores proporções.
Se pudéssemos definir um resumo básico das funções destes 3 compostos diríamos que o nitrogênio aumenta a densidade vegetativa da planta, o fósforo contribui para a formação de raízes e na floração e fecundação dos frutos. Por último, o potássio é o responsável por melhorar a absorção de água e nutrientes pelas raízes, aumentar a resistência ao stress hídrico e melhorar as qualidades organolépticas dos frutos.
Isso, a modo de resumo, uma vez que tanto o nitrogênio, o fósforo e o potássio têm funções muito mais definidas a nível celular.

O potássio, como macroelemento principal, intervém em mil e uma funções dentro da planta. Vamos vê-las, pois é um tema bastante interessante:
O que buscamos em uma melancia ou melão, por pôr um exemplo claro é que, a parte que tem “frescura”, sejam doces. Não será a primeira vez que se vê como um agricultor adiciona açúcar à terra pensando que a planta é capaz de assimilar desse açúcar e passá-lo para os frutos, algo totalmente desnecessário e catalogado como um absurdo.
O açúcar, que pode conter estes frutos não é o açúcar propriamente dito, já que entre os dissacarídeos existem muitos compostos, como a lactose, frutose ou maltose. Neste sentido, há vários estudos que confirmam a estreita relação entre o nitrogênio e o potássio e a acidez e a doçura dos frutos.

Aqui é onde entra em jogo em nitrato de potássio, pois utilizado de forma conveniente, tanto em tempo como em quantidade, permite desenvolver um fruto com bom sabor. Olho, não tudo depende do assinante, pois a água e o ambiente também influencia.
Neste caso, o nitrato de potássio, tal como vemos por seu nome, tem uma parte de nitrogênio e de potássio. As quantidades, podemos saber com cerca de simples cálculos, tal como o vimos em fertilizantes complexos.
Nós trabalhávamos com as unidades fertilizantes (U. F.), uma medida adimensional que estabelece a quantidade exata que levamos para um composto. Vejamos o seguinte exemplo:
O nitrato de potássio é um fertilizante binário, pois só dispõe de nitrogênio e potássio. Vem com a proporção 13-0-46. Isso quer dizer que tem 13 U. F. de nitrogênio, 0 U. F. de fósforo e 46 U. F. de potássio (o que interessa, neste artigo).
Saber a quantidade que aplicamos no chão de frente para pagar nossas plantas é simples. Normalmente vamos encontrar este passe em sacos de 25 kg, com o que, para essa quantidade, temos os seguintes valores:
– Nitrogênio: 3,25 kg/saco
– Fósforo: 0 kg/saco
– Potássio: 11,5 kg/saco
Estas são as quantidades exatas que aplicamos no chão com o nitrato de potássio em quantidade acima referida.
A informação que podemos encontrar na etiqueta do nitrato de potássio são meramente orientação, pois não tem em conta nem o tipo de solo que você tem, nem a variedade da cultura, nem a idade, nem muito menos a qualidade de sua água de irrigação (que nos dirá qual é o limite de assinante que temos para que não ocorram queimaduras ou perda de desempenho).
Por último referir que existem também alternativas quanto à fertilização, se você quer prescindir de adicionar nitrogênio ao solo. Isso acontece quando precisamos de parar o crescimento do cultivo ou o nosso solo já apresenta níveis adequados deste composto.
Um exemplo seria o uso do sulfato de potássio ou algumas soluções potásicas líquidas que se encontram no mercado. Para o primeiro caso, costuma ter uma concentração entre 50 e 52 % (já sabeis obter os valores das unidades fertilizantes) e as soluções potásicas variam muito na sua composição em potássio. Pode ter de 8 %, 20 %, 30 %, etc., O bom é que com estas soluções é que têm agentes quelantes (EDTA: ácido etilendiaminotetraacético) e que levam baixos ou nulos níveis em cloretos. Por isso, a sua absorção é rápida por parte das raízes das plantas e, em parte, tem um efeito regulador na absorção de outros minerais importantes como o cálcio ou o magnésio).
Uma saudação. Agromática.

Elaine

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *