0

O nitrato de cálcio na agricultura

Quando falamos de nitrato de cálcio ou nitrato de cal (também conhecida assim), estamos mencionando um adubo inorgânico cuja fórmula é: Ca(NO3)2.
Dentro desta sal só vamos encontrar cálcio, nitrogênio e oxigênio. Os 2 primeiros componentes mencionados, as plantas (exceto o nitrogênio com leguminosas), não podem obtê-lo por si mesmos, pelo que necessitam de contribuições especiais.
Este tema é bastante recorrente em Agromática e voltamos a discuti-lo. Há que ter em conta que tanto NH4 (amônio) como o cálcio são absorvidos por fluxo de massa (com a água). Por isso, é importante que, para facilitar a absorção deste último pelas raízes da planta, as condições de água do solo sejam de boa e, além disso, não tem muita presença de amónio.
De aqui que sempre se diga que os problemas da peseta são originados por uma carência de cálcio. No entanto, esta frase não é bem essa. Não há uma falta concreta de cálcio no solo, se não que simplesmente a planta não pode assimilar. Por quê?
É por isso que o nitrato de cálcio, contribuíram tem de ser ligado com condições climáticas que nós apenas podemos controlar, e a condições práticas que nós sim, que temos de ação direta sobre elas, como as condições de campo.
A causa da peseta também está relacionada com a baixa taxa de transpiração dos frutos. Baixa taxa de transpiração faz com que o cálcio não se mobilize para os frutos nos momentos de maior necessidade (início da maturação e desenvolvimento inicial). Por esse motivo, aparece a podridão apical na base do fruto, onde é mais difícil chegar ao cálcio.

Na maioria dos sacos que vamos encontrar o nitrato de cal vamos encontrar o seguinte:
Estes valores podem variar em decimais. Normalmente, o nitrogênio sempre vamos encontrar entre 14,4 e 14,5%, e o cálcio entre o 26 e o 27%.
Se entrar em temas de meq/L, muito comum em culturas de estufa, onde se trabalha com condutividade, tem de contar que cada meq de cálcio, o que se dá, também se inclui 1 meq de nitrogênio.
Em termos de mmoles/L, a cada 1 mmol de cálcio, o que se dá, são adicionados 2 mmoles de cálcio. Isto é muito importante na hora de definir planos de assinante, já que há que controlar os aportes de nitrogênio. Muito frequentemente são excessivos e repercute tanto na planta como no nosso bolso.
É uma forma de saber o que e quanto pagamos. É algo diferente do que as unidades de fertilizantes e tem suas vantagens e suas desvantagens. Com este primeiro sistema de trabalho, você sabe quanta água você adiciona. Ao menos, é um parâmetro conhecido.
Com as unidades de fertilizantes é um valor desconhecido. Imagine que você tem que adicionar 10 UF d nitrogênio. Qual a quantidade de água? É algo que desconhecemos e cujo ponto temos que dar nós.
Se transformamos os mmoles de nitrato de cálcio a um sistema de valores conhecido, por exemplo, os gramas de adubo por metro cúbico de água, então temos que fazer o seguinte cálculo:
1 mmol/L de nitrato de cálcio · 182 mg/mmol = 182 g/m3 de água.

Imagine que uma planta hortícola de nosso jardim, como um pimentão ou tomate, precisa, por exemplo, 10 meq/L cálcio. A forma mais comum de contribuir com esta cálcio é, sem dúvida, com o nitrato de cálcio.
Imagine que você vai regar com 1.000 litros de água teus tomates, o Cúántos kg deste fertilizante adiciono?
10 meq/L de cálcio são 5 mmoles/L, uma vez que se tem em conta a sua valência.
Voltamos à fórmula de antes:
5 mmoles/L de nitrato de cálcio · 182 mg/mmol= 910 gramas/m3 de água. Ou seja, quase 0,9 kg para esses 1.000 L de água. Com isso, ele dá mais do que abastecida de cálcio da planta. E isso sem contar o cálcio, que tem a água de rega…
Não há que generalizar, pois cada cultura demanda, com necessidades diferentes. O cálcio é um nutriente que é usado em excesso, já que muitas vezes não se tem em conta as grandes quantidades que traz a água, simplesmente porque não se faz uma análise de água.
Uma água muito pura, entendendo pura que tem uma condutividade muito baixa (abaixo de 1), pode chegar a ter entre 1 e 2 meq/L de cálcio. Se para um hectare em cada irrigação pode contribuir com 40.000 litros de água, podemos estar adicionando ao nosso solo entre 1 e 2,5 kg/ha de cálcio puro.
Isso, em termos de nitrato de cálcio, seriam em torno de 3,70 e 9,25 kg/ha.
Para um pimentão no intensivo, com um gasto de 4.000 m3 de água por campanha, estaríamos falando de 1.000 kg de nitrato de cálcio, com um preço de $ 400.
Por isso, o aporte de cálcio é variável e deve ser feito tendo em conta isto. Uma análise de água vale muito menos que esses 400€ que estamos contando.
Doses normais para um cultivo meio estão entre 300 e 800 kg/ha, de acordo com recomendações das casas de fertilizantes.
Como já dissemos no seu dia, sobre a incompatibilidade entre fertilizantes, o nitrato de cálcio é um fertilizante muito follonero.
Pode ser misturado com a maioria das soluções para estrume, à exceção de todas as que contenham sulfatos (sulfato de amônio, sulfato de magnésio, sulfato de potássio, etc.) e fósforo (ácido fosfórico, fosfato monopotásico, fosfato monoamónico, etc.).

Elaine

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *